À porta bate um Novo Ano!

As palavras não se querem vazias e perdidas no tempo que continua persistentemente a latejar.

Para dominar a fraqueza que nos domina no dia a dia é preciso bastante atenção e encontrar sem pressa a porta certa, senão instala-se o medo e perde-se a paz.

Talvez as horas cantem monotonamente no espaço e a voz esteja alterada no timbre pelo desespero da incerteza do sinal.

Às vezes, não se compreende a ânsia de alguns em quererem sempre conquistar o primeiro lugar.

É absolutamente imperioso saber como um projeto egoísta pode ser ressalvado, depois do fracasso moral e ilegal.

Pois, as ideias que escorrem nas velhas atitudes de alguns, não concedem espaço possível para plantar novas sementes.

Há tantos anos que muitos copiam os erros velhos cometidos, há neles um caminho injusto e maldoso para chegarem mais alto. Porém, cedo se percebe essa má intenção e o vazio pouco inocente de cada ação.

Aqueles que ajudam a procurar a verdade acabam por desanimar e deixam de acreditar no mundo, porque os aplausos são sempre para os outros.

Tantos que nada fazem de agradável e até afrontam para dizerem que praticaram a ação com todo o sentimento.

Para compreender tal argumentação gera-se uma ânsia desenfreada e nunca se consegue perceber o significado da verdadeira essência humana.

Tantos sonhos que resultam no medo e na fome ao ver o que escorre da ganância de muitos, que não conseguem a riqueza de viver em paz no meio de pequenas coisas.

Por vezes, apontam-se os defeitos e julgam-se mal as pessoas, quando na verdade nada se sabe sobre o seu fracasso e insucesso na vida.

Querem o sonho? Como podem chegar ao sonho?

Há quem não acredite na verdade do caminho e fique à espera que passe a dor dos passos e é dentro desta simplicidade e pobreza consciente que vive todo o seu tempo sem ser acolhido por ninguém.

Talvez haja uma estrela no céu para todos, mas alguns andam tão cegos que nem tão pouco querem que o céu esteja perto deles.

É inacreditável que se perca a felicidade por tudo e por nada e se esqueça de cuidar o bem, ou seja perde-se o tempo a desejá-lo tanto.

Feliz recomeço em 2023.

mariadefatima@minhodigital.pt
  Partilhar este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Opinião  
  Partilhar este artigo