BICADAS DO MEU APARO: Desabafos (meus) em 2022

 

 

 

1 – Durante estas três Repúblicas, concluiu-se que os Partidos são máquinas/empresas de interesses próprios, nuns casos, de interesses colectivos, noutros, e a exercerem funções seja contra quem for, desde que esteja em causa o crescimento do chefe/líder partidário. (Janeiro)

2 – Do ladrão de alto gabarito, diz-se: foi rapace. Talvez estes ladrões façam o Bem, sejam delicados e ofertantes de esmolas às religiões. Não é por acaso que os velhacos passaram a comerciantes, os carteiristas a prestadores de serviços e os bandoleiros dos grandes centros a empresários dignos de elogios nos jornais e televisões. (Fevereiro)

3 – A ambiguidade reina; as dúvidas são muitas; o saldo dos feitos deste PS é extremamente negativo e o primeiro-ministro António Costa obteve maioria absoluta nas legislativas, para seu espanto. Ecce homo. Eis o que o povo escolheu, bem como os semimortos que tais legislativas de 2022, fizeram. (Março)

4 – Venderam as pescas, a agricultura, os têxteis e colocaram um penedo na reivindicação de Olivença, sonho daquele grande General Humberto Delgado, de cognome “o homem sem medo”, que sempre afirmou que iria lutar pela restituição daquele território Alentejano. E onde foi morto? Em Espanha. (Abril)

5 – Na política à portuguesa, melhor, nas campanhas ateatradas, não há pejo em esconder ou não falar de certas vidinhas económicas criadas, e lá vão pensando os candidatos que o povo é asno e lhe basta ter uns rebuçados nas algibeiras e uns pirolitos em casa para beber. (Maio)

6 – É necessário ter a curiosidade da mosca, a versatilidade da cobra, o cuidado do gato e a memória de elefante. Eis as virtudes e a obrigação da boa informação a transmitir aos portugueses, embora possa ser duro dizerem-se as verdades. O Muro de Berlim não caiu por acaso. (Junho)

7 – Putin é perigoso. O mundo já o recusou. E embora Putin tinja de sangue o solo ucraniano e ganhe todas as batalhas, Putin, nunca ganhará esta guerra, nunca terá os ucranianos a vergarem-se-lhe e muito menos a reconhece-lo a ele e à Rússia como seus donos. (Julho)

8 РA loucura, para poetas, escritores e historiadores, ṣo os que evidenciando uma aus̻ncia de valores em prol do bem-comum, mais ṇo fazem do que procurar a inoc̻ncia e a justifica̤̣o do mal que fazem. O louco tem por vezes atitudes auto-castigadoras, para ver se garante a sua impunidade ou o perḍo dos que colocou na piolheira da vida. (Agosto)

9 – Muitos dirigentes políticos, pensam em aumentar/melhorar o armamento nos paióis militares, para defesa nacional. Quem serão os inimigos a combater? Todavia, esquecem que os sem-abrigo continuam ao frio e ao calor, porque habitam nos vaus das escadas ou nas calçadas, e as televisões, “esquecem” de mostrar essa gente com carne de mortos. (Setembro)

10 – Nesta guerra – da invasão da Rússia à Ucrânia – somente dormem a China, a Bielorrússia, a Venezuela, Nicarágua, Cuba, Síria, o Irão e o partido comunista português, porque inteligências garroteados. Mas a Ucrânia refazer-se-á: o seu povo o quer e por isso luta. (Outubro)

11 – Quase nunca se agradecem delicadezas, atenções e mesmo os indirectos “recebimentos” que tantos têm na vida. E quem não sabe agradecer – para mim – é servo da insatisfação, medíocre e revela sinais de pouca inteligência, entre outras deficiências. (Novembro)

12 – Não havendo através da medicina a morte assistida ou provocada, só há uma solução: matarem o doente os agentes funerários, os técnicos de profundidade (coveiros) ou os profissionais de talhos e açougues. Havendo a medicina da morte, o povo tem de saber que, no Parlamento, se bebe “o sangue das manadas” como cantava Zeca Afonso. (Dezembro)

 

(O autor não segue o acordo ortográfico de 1990)

asoares@minhodigital.pt
  Partilhar este artigo

1 comentário

  1. Bom amigo ASoares,mais uma vez, um Tema actual e, muito bem descrito.. Os meus Paeabens. Um abraço e um Bom Ano Novo de 2023..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Opinião  
  Partilhar este artigo