Editorial

Costa deve um obrigado a Jerónimo

Damião Cunha Velho

Damião Cunha Velho

Damião Cunha Velho

Damião Cunha Velho

Jerónimo de Sousa vai deixar o cargo de secretário-geral do PCP, e alguns elogios e agradecimentos ao líder “boa pessoa” logo apareceram.

O de António Costa pecou por defeito.

Todos sabemos como António Costa chegou à liderança do Partido Socialista.

António José Seguro vinha de bons resultados eleitorais, porém, as sondagens davam uma clara derrota do PS nas legislativas face ao PSD da “austeridade”. E, por essa razão, Costa entendeu que a liderança do PS devia ir a votos.

O PS de Costa perdeu as eleições. O PSD ganhou, mas sem maioria absoluta.

Os portugueses, apesar das críticas e manifestações, compreenderam que Passos Coelho teve de governar o país com a Troika, num contexto de grande crise económica.

A ordem de Merkel (todos os economistas defendiam esta posição à excepção de João Ferreira do Amaral, irmão de Joaquim Ferreira do Amaral, antigo ministro das Obras Públicas de Cavaco Silva) era para que os Estados injetassem dinheiro na economia, o que foi levado à risca por Sócrates. Eu diria erraticamente levado à risca por Sócrates, que nos levou ao maior défice de sempre e à maior e impagável dívida da nossa história recente.

Dito isto, Costa perdeu as eleições e devia na noite eleitoral ter-se demitido com um pedido de desculpas ao seu “amigo” Seguro.

Apesar de assumir a derrota, não o fez.

Entretanto, na mesma noite, sopraram bons ventos do PCP. Jerónimo de Sousa disse que Costa só não era primeiro-ministro se não quisesse. Costa, o melhor e mais hábil político da sua geração, segundo José Miguel Júdice, aproveitou a sua esperteza e seguiu caminho.

Quebrou um acordo oficioso entre os partidos, e chegou pela primeira vez na nossa história a primeiro-ministro, apoiado pelo PCP, BE e PEV, mesmo tendo perdido as eleições.

Se António Costa é ainda hoje primeiro-ministro deve-o a Jerónimo de Sousa e, como tal, devia ter-lhe agradecido por isso. Um obrigado tinha-lhe ficado bem.

Era o mínimo que Costa devia ter feito, mas não podemos esperar nem agradecimentos nem nada de bom de quem trai um amigo!

damiao_cunha_velho_1.jpg
Partilhe este artigo

1 comentário

Os comentários encerraram.

 Do autor...  Do mesmo autor...