Europeias: A excepção da regra…

A pobreza na intervenção política e social é algo que dói a uma terra fecunda de cuja barriga saiu gente ilustre no domínio das ciências, do conhecimento, das artes, das letras e outras vertentes do saber mas que hoje olha em volta e se revolta com o marasmo instalado em tricas de cordel em torno do umbigo sempre luzidio que não sabe  ser reflexo da capacidade armazenada do saber discernir entre o útil e o inútil daquilo em que se envolve.

O umbigo é a parte sobrante de um elo que deve ser o nosso orgulho porque foi através dele que nos alimentou a vida o ventre materno e que ao no – lo cortarem passamos a ser autónomos para a vida futura.

Simplesmente, não é esse o umbigo que está em analise social critica, vulgo política social, quando o sentido figurado mencionado é o a propósito do comportamento.

Neste particular o umbigo figurado referido é o comportamento do indivíduo em grupo. De que se extrapola comportamento incorrecto por não ter em conta a opinião dos pares e pensar ser possuidor de razão única oriunda sabe – se lá de onde.

Em regra, esta postura resulta de disfunção social acumulada, atolada na ignorância pura e dura.

Neste caso, o do comportamento num contexto que visa exclusivamente a promoção de uma vaidade inconsistente por nem sequer haver motivo, aquilo que acontece é a chacota coletiva que faz de conta que não se apercebe mas que julga.

Estamos assim perante um domínio da cultura demasiado pobre e enlameado:

– Pobre por incúria do poder e sujo por desmazelo educativo.

– Luzidio por ignorância como já foi referido.

Esta maleita coletiva é neste momento transversal ao comportamento dos Homens. Sendo que a excepção é sempre aquilo que justifica a regra.

Mesmo rara, a excepção, existe.

Acoita – se na humildade discreta do vasto conhecimento sempre exímio e exigente.

Impõe – se com a naturalidade das coisas comuns, porque é comum, mesmo sendo maltratada.

antonio_sf@hotmail.com
  Partilhar este artigo
Opinião  
  Partilhar este artigo