Editorial

Humildes

Joaquim Letria

Joaquim Letria

Joaquim Letria

Joaquim Letria

letria@minhodigital.pt

Para se tirar bom proveito daquilo que a curiosidade nos dá a saber, é indispensável  o uso da razão de modo a assimilarmos  os conhecimentos. 

w

O que chamamos de inocência é a infância , que Jean Jacques Rousseau comparava “com a luz da aurora que resplandece pela manhã ao nascer o sol sem nuvens”.

w

Inocência e razão, infância e maturidade compõem o binómio de que é formada a maravilha a que nós chamamos de “género humano”. Por  outro lado, é interessante observar como o homem sempre quis minimizar, ou mesmo apagar, os melhores exemplares de si próprio. Essa qualidade pode sintetizar-se , como convém para esta reflexão, num ponto  comum a que chamamos modéstia, seja esta verdadeira ou falsa, e que acabamos por classificar como se tratando de virtuosa .

a

Dizia Boileau que a humildade se verifica quando o mais sábio é aquele que nem remotamente pensa  em vir a sê-lo.  Para os povos latinos, humildade é quando “ninguém é sábio em todas as ocasiões”. Humildade, sentenciava Séneca, é “quando se pode ser sábio sem vanglória nem inveja”. Sócrates, que também se deu ao trabalho desta reflexão, criou um “leit motiv” defensivo, mas que nos chega até hoje:  ”Só sei  que nada sei”.

w

Em síntese, e à luz da nossa tradição judaico -cristã, é a sabedoria que garante que “quem se humilhe será exaltado” e , como  profetizado no Livro de Job, “viverá em glória”.

w

Muita gente , como Afonso Karr, não acredita em nenhum sábio até o ouvir dizer três vezes “duvido” e duas “não sei”.  E pergunto eu num sobressalto: porque não fazer a vontade a esta gente se a Terra pertencerá aos humildes?!

w

Para já, brinquemos à razão do repouso, que é muito diferente e nada tem a ver com o repouso da razão. Assim poderíamos ser todos muito felizes ao guardarmos de outros muito do que sabemos

letria@minhodigital.pt

Partilhar

Partilhe este artigo

 Do autor...  Do mesmo autor...