Compre já a nova edição do livro MINHO CONNECTION

J. Rentes de Carvalho traça retrato fulgurante do tráfico de droga nas margens do Minho

«(…) Bom rapaz. Respeitador. Diziam que era dinheiro da droga e com certeza era, mas cada um governa-se como pode, não é? Coitado, Nosso Senhor o favoreça lá onde está, porque neste mundo pouco tempo lhe deixou gozar a riqueza.»


Mais de uma década depois da primeira edição, a Quetzal publica novamente La Coca, a investigação literária na primeira pessoa de J. Rentes de Carvalho sobre o tráfico de droga e a violência nas margens do rio Minho. Sendo uma viagem de
revisitação do autor aos lugares da infância e da primeira idade adulta, La Coca é também um pequeno tratado sobre os mecanismos da memória. Um romance breve, profundamente irónico e terno. E a escrita clara, brilhante, de Rentes de
Carvalho. Chega às livrarias a 1 de junho.
Manuel Galeano – que sempre «tivera o contrabando no sangue» – desapareceu antes do segundo encontro. Inesperadamente, como cruzara o caminho do seu velho conhecido em Amsterdão. O primeiro encontro, seguido de uma conversa saborosa no bar de um hotel, cheia de memórias de juventude e de algumas confidências do presente, é o ponto de partida para uma longa evocação e uma viagem tão sentimental como perigosa em busca da história do tráfico entre o Minho e a Galiza: de cigarros, whisky, barras de ouro, gado e café; mas, depois, chegam as drogas duras e os protagonistas de histórias ainda mais duras carregadas de morte e aventura: Diogo Romano, El Min, Sito Miñanco, o Pardal, o Pepe, Mustafá, Zé Luís e o Laurestim, que durante décadas enformaram o imaginário pícaro local.

Sobre o autor

De ascendência transmontana, J. Rentes de Carvalho nasceu a 15 de maio de 1930, em Vila Nova de Gaia. Obrigado a abandonar o país por motivos políticos, viveu no Rio de Janeiro, em São Paulo, Nova Iorque e Paris, trabalhando para vários jornais. Em 1956 passou a viver em Amesterdão, onde se licenciou, e, entre 1964 e 1988, foi professor de Literatura Portuguesa na universidade. Dedica-se desde então exclusivamente à escrita e a uma vasta colaboração em jornais portugueses, brasileiros, belgas e holandeses, além de várias revistas literárias. A sua extensa obra (de ficção, ensaio, crónica e diário) tem sido publicada em Portugal e na Holanda, sendo recebida com grande reconhecimento, quer por parte da crítica, quer por parte dos leitores em geral, tendo alguns títulos alcançado o estatuto de best-seller. Recebeu, em 2011, o Grande Prémio de Literatura Biográfica APE com o livro Tempo Contado, e, em 2013, o Grande Prémio de Crónica APE com Mazagran. Os seus livros estão atualmente disponíveis na Quetzal, que continuará a publicar o conjunto das suas obras.
J. Rentes de Carvalho divide o seu tempo entre Amesterdão, nos Países Baixos, e Estevais, Mogadouro – metade do ano em cada lugar.

PUB
  Partilhar este artigo

1 comentário

  1. J Rentes de Carvalho está na vida como está na sua escrita. Não faz fretes a ninguém(?)
    De uma singeleza incomparável, mas de uma acutilancia impar, Rentes de Carvalho, que viveu entre Gondarém , que não gosta, e Lanhelas, frequentou o liceu de Viana do Castelo.
    Dá grande protagonismo ao Alto Minho, facto que não é nada reconhecido.
    Ernestina, é para mim o romance de que mais gosto e que melhor o caracteriza.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

geral@minhodigital.pt

  Partilhar

PUB
📚  Mais Livros
PUB

Junte-se a nós todas as semanas