Momentos de Poesia – 1

“ O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem carácter, dos sem ética…

O que me preocupa é o silêncio dos bons ! “

(Dr. Martin Luther King)

w

E eu lembro que é mister dos poetas dar voz aos que não a têm. Que não nos caiba jamais essa omissão. E que a mão não nos vacile, ao cerrarmos o punho justiceiro em torno da pena,  pela justa e tanta indignação que nos assola o espírito.

Estes de que hoje vos venho falar são só alguns desses tantos injustiçados pela sociedade.

 

O FRAGOR DOS “SEUS” SILÊNCIOS

w

Aqueles a quem a morte mais reclama

Porque muitos invernos já viveram,

Os que da vida a chama já perderam

E têm por incertos pão e cama;

 w

Essas árvores que os ventos não vergaram

Pra confortar a prole da sua rama,

Que hoje – ao abrigo – lhes ignora o drama

E que despreza o bem que eles fizeram;

w

São os credores maiores da sociedade

Desta que os omite e os maltrata

Votando-os à aviltante indignidade.

w

E enquanto a miséria os desbarata

E os esmaga com tanta iniquidade

O abandono plos seus é que mais mata!

w

[[{“fid”:”64634″,”view_mode”:”default”,”fields”:{“format”:”default”,”alignment”:””,”field_file_image_alt_text[und][0][value]”:false,”field_file_image_title_text[und][0][value]”:false,”external_url”:””},”link_text”:false,”type”:”media”,”field_deltas”:{“3”:{“format”:”default”,”alignment”:””,”field_file_image_alt_text[und][0][value]”:false,”field_file_image_title_text[und][0][value]”:false,”external_url”:””}},”attributes”:{“height”:”354″,”width”:”627″,”class”:”media-element file-default”,”data-delta”:”3″}}]]

w

Sou um povo que quer o mar que é teu;

E mais que o mostrengo, que me a alma teme

E roda nas trevas do fim do mundo,

Manda a vontade, que me ata ao leme.

D’ El-rei D. João Segundo !» 

 

( in: “O Mostrengo”, poema de de Fernando Pessoa )

w

O CAPITÃO-GEHERAL

 w

Nesta tormenta vos peço: Mar, tomai dos ares

Forças antigas dos mártires, dos heróis…

As que dão voz aos credos milenares

 w

Que tinto é o céu da força que destrói

Que bravo e fero o vento ruge sibilante

Entanto a morte espreita, e em si remói

w

Cavam-se as fundas ondas cada instante

Que ora aos abismos, ora aos céus eleva,

Ante o sopro do demo, a proa errante

 w

Perante o real pavor, o coração releva

Que a fé que nele habita é firme e forte

Quanto a visão que tem pra lá da treva

w

E enquanto a Deus entrego a minha sorte

Passam por mim memórias derradeiras

As que (pias) precedem o bafo da morte

 w

Mas, por prodígio, tornam-se ordeiras

As fundas ondas e os ventos sublevados

Sacras se fazem as preces milagreiras!

meugesa1@gmail.com
  Partilhar este artigo
Opinião  
  Partilhar este artigo