Faleceu Evaristo Cardoso do ‘Solar dos Presuntos’

A Câmara Municipal de Monção lamenta profundamente o falecimento do seu conterrâneo Evaristo Cardoso, antigo chef da Seleção Nacional de Futebol e proprietário do emblemático Restaurante “Solar dos Presuntos”, em Lisboa, apresentando sentidas condolências à sua esposa, Dona Graça, aos filhos, netos e restante família.

Neste momento de enorme tristeza e consternação, registamos a enorme admiração e apreço por Evaristo Cardoso, um dos mais prestigiados e reputados chefs nacionais que contribuiu, de forma decisiva, para o desenvolvimento e afirmação da culinária monçanense e portuguesa.

Verdadeiro embaixador da cozinha monçanense em Lisboa, o percurso pessoal e profissional de Evaristo Cardoso honra os pergaminhos da nossa gastronomia e orgulha todos os monçanenses. Em 2018, foi padrinho da candidatura vencedora do “Cordeiro à Moda de Monção”, no concurso “7 Maravilhas da Gastronomia Nacional”.

Cidadão de mérito do Município de Monção, desde 2004, em fevereiro passado, por ocasião do seu 80º aniversário, Evaristo Cardoso foi distinguido com a Comenda da Ordem de Mérito Empresarial, atribuída pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa.

Ao longo da sua extensa carreira, Evaristo Cardoso colecionou várias distinções que atestam a qualidade do Restaurante “Solar dos Presuntos”. Aberto no ano da revolução, 30 de outubro de 1974, ganhou, com o passar do tempo, grande notoriedade e prestígio universal.

As provas estão bem expressas nas paredes do “Solar dos Presuntos”, com fotografias de personalidades de todos os quadrantes da vida nacional e internacional, bem como nas críticas gastronómicas da comunicação social.

Em 2007, José Quitério, escrevia nas páginas do Expresso: “O Solar dos Presuntos ocupa um lugar de honra no restrito roteiro lisboeta dos restaurantes que melhor cultivam os autênticos paladares portugueses”.

Nas décadas de oitenta e noventa do século passado, Evaristo Cardoso assumiu funções como chef da Seleção Nacional de Futebol, vendo reconhecida a sua dedicação e competência na área da gastronomia.

Nas entrevistas dadas a distintos órgãos de comunicação, lembrava que foram momentos inesquecíveis de grande amizade que lhe permitiram, na vertente profissional, um contacto valioso com a culinária de diferentes países.

O velório realizou-se na 3ª feira na Igreja de São José, às 19h00, e a missa decorreu no dia seguinte, pelas 11h00. O corpo seguiu depois para Monção, onde foi sepultado.

 

  Partilhar este artigo

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nuvem do Minho
press@maniadigital.pt
  Partilhar este artigo