Editorial

Os Afectos…
Picture of Arlinda Rego Magalhães

Arlinda Rego Magalhães

Partilhar

O amor é como o perfume, quem o tem já não o sente, sente-o quem se aproxima”.

“Um sorriso não custa nada, enriquece quem o recebe sem empobrecer quem o dá”.

Permitam-me falar de afectos, de formas, de conteúdos e de professores.

Parecem temas aleatórios, atirados para o papel num dia chuvoso e sem inspiração.

Mas insisto, permitam-me, descobrir afecto num olhar, num tom de voz, na tolerância, na firmeza, na exigência, no sorriso.

De novo estas palavras soltas, não fazem sentido. Falo do sentido lógico das palavras, que se unem de uma determinada forma para veicular um conteúdo.

GOSTA DESTE CONTEÚDO?

Ser professor, tem tudo a ver com o mundo dos afetos, com os conteúdos e principalmente com a forma.

Pobre professor, quantas vezes tem de ser firme e exigente nos conteúdos e amável e compreenssivo na forma.

A forma de ser, de estar, de falar, de captar a atenção, de passar uma informação, uma mensagem e um conhecimento.

Não são raras vezes, em que a forma como o professor questiona um aluno, como cruza os braços, como se faz de desentendido, como repreende ou penaliza, diz à turma que o“stor(a)” está realmente preocupado com o percurso escolar e pessoal daquele aluno.

Não será esta uma forma de afecto?

E quando o professor não dorme, não descansa, não tem tempo para si e para os seus, só porque ainda não descobriu, a forma correcta de passar os conteúdos a uma determinada turma.

Não será esta também uma forma de afeto?

E quando no limite, o professor se considera o maior culpado do insucesso dos alunos, esquecendo que os alunos têm pais, família, amigos e sobretudo, uma forma de estar na vida diferente da sua.

Afinal é tudo uma questão de forma, e do valor que cada um de nós dá, aos vários conteúdos.

Que os afetos sejam entendidos, na sua forma mais nobre, a da reciprocidade, porque só entende o afeto quem recebeu afeto.

Só sabe dar afeto quem aprendeu a receber afeto.

Permitam-me pensar que quase tudo, depende dos afectos, da forma e dos conteúdos.

Sejam felizes!

 

1 comentário

  1. VERDADE!!! O ser humano sabendo “dar”afectos…dialogar com ternura, tom baixo, pronunciando bem as palavras…toda a criança aprende…todo o udiso escuta e compreende…
    Só “DÁ” afecto…quem recebeu afecto…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mais
editoriais

Junte-se a nós todas as semanas