A Páscoa

A PÁSCOA

w

Maior que o Natal pra cristandade

A Páscoa é o evento essencial;

Cristo ressuscitou já divindade

E foi juntar-se ao Pai primordial.

 w

Depois da morte, a vida se refez

Daquele que por amor se imolou

Vítima de traições e sordidez

Em holocausto o sangue derramou.

 w

Cinquenta dias dura a celebração

Até se encerrar em “Pentecostes”

Em festa com andor e procissão.

w

É então tempo do Espírito Santo

Derramar sobre nós as Suas graças

Perfumando de paz o nosso encanto.

w

A Páscoa

w

Meus amigos, w

Estamos na Páscoa. É, portanto, tempo de nós, os cristãos, celebrarmos o evento maior do calendário da nossa religião; a ressurreição de Cristo; a vitória da vida sobre a morte. Um acontecimento ainda de maior importância e significado que o Natal.

No poema aqui inserido, está sinteticamente explicitado e evento e os preceitos religiosos que o caracterizam. Mas é de outra ressurreição milagrosa que hoje vos venho falar. De outra vitória; a da vida sobre a morte, aquela que é hoje possível, graças à evolução da ciência médica, mais precisamente dos transplantes de órgãos humanos.w

Deus, na sua infinita misericórdia, dotou o homem de inteligência para lhe fosse possível evoluir como ser superior e potenciar a melhoria da vida humana sobre a terra. Foi, inequivocamente, essa a intenção do Criador. E, por isso, assiste-se hoje a autênticos milagres no campo da medicina e da cirurgia e outros nos vão maravilhar no futuro e encher de mais esperança. Falo de regeneração de células, de códigos genéticos e tantas outros avanços, sobretudo no âmbito da bio-genética. w

Pena que alguns homens não tenham intuído toda a nobreza da intenção divina e tenham aviltado essa intenção, a ponto de fazer perigar toda a existência de vida no planeta. Mas isso são contas de outro rosário, não deste que me motivou a falar-vos nesta data.

 w 

Cultura da vida e da solidariedade

 w

Da lógica da fé cristã, a doação de órgãos inscreve-se no âmbito dos actos cujo sentido mais profundo é o de afirmar uma cultura da vida através da solidariedade.

Órgãos vitais que se degradariam num corpo irremediavelmente perdido para a vida  são ofertados e transferidos para salvar vidas periclitantes e reabilitar saúde e alegria de viver a outros seres humanos. Está-se assim em presença de uma corrente solidária apoiada na ciência.

Doar um órgão, vital (ou não), não é simplesmente dar “alguma coisa”; é dar algo de si. E esta é a expressão maior do amor, ainda que involuntariamente assumida, quando o decisor não pode ser o próprio.

E perguntamo-nos; porque seria estranho doar e receber órgãos? – Nas palavras do Apóstolo Paulo; “somos membros uns dos outros, constituímos um único Corpo, cuja cabeça é o próprio Cristo”.

 w

A mística da ressurreição humana

 w

No estrito sentido do termo, a ressurreição consiste no retorno da alma ao corpo, após a morte. Não é disso que se trata, uma vez que um transplantado não chegou, de fato, a abandonar a vida, senão que a viu muito difícil ou impossível de ser prolongada sem que essa prática fosse uma realidade.

O corpo humano é uma via para que o espírito interaja com o mundo material. Com a morte, esta máquina que somos, de concepção divina, desagrega-se, tornando-se inútil ao “ser”, que até então a animava.

 Não me desdirei, ao afirmar que aRessurreição é uma afirmação de fé. É vitória da vida sobre a morte, do bem e do amor sobre tudo o mais.

O milagre dos transplantes foi-nos concedido como um dom e, portanto, pode ser visto à luz mística da ressurreição humana.

 w

A todos vósm os meus votos de uma Santa e Feliz Páscoa!

meugesa1@gmail.com
  Partilhar este artigo
Opinião  
  Partilhar este artigo