Preço das casas para arrendar subiu em Viana do Castelo

Crédito à habitação

Arrendar casa em Portugal custa agora 12,1 euros/m2. Preços em Lisboa já ultrapassam os 16 euros/m2. Arrendamento subiu em onze capitais de distrito. Preços subiram em Lisboa (6,5%; 16,7 euros/m2) e Porto (2%; 12,5 euros/m2). Arrendar casa em Castelo Branco (-9,3%) e Leiria (-0,7%) está mais barato. Em Portugal a variação trimestral foi de 6,4%.

Os preços das casas para arrendar em Portugal apresentaram uma subida de 2,7% em outubro face ao mês anterior. Segundo o índice de preços do idealista, arrendar casa tinha um custo de 12,1 euros por metro quadrado (euros/m2) no final do mês de outubro deste ano, tendo em conta o valor mediano. Já em relação à variação trimestral, a subida foi de 6,4% e a anual de 12,3%.

Cidades capitais de distrito

O preço de arrendamento em outubro subiu em onze capitais de distrito, com Aveiro (7,3%) a liderar a lista. Seguem-se Lisboa (6,5%), Setúbal (5,4%), Funchal (3,4%), Viseu (3,3%), Braga (2,9%), Coimbra (2,3%), Porto (2%), Santarém (1,8%), Faro (1,5%) e Viana do Castelo (1%).

Por outro lado, os preços desceram em Castelo Branco (-9,3%) e Leiria (-0.7%).

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro arrendar casa: 16,7 euros/m2. Porto (12,5 euros/m2) e Funchal (11,4 euros/m2) ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente. Seguem-se Faro (9,5 euros/m2), Setúbal (9,4 euros/m2), Aveiro (9,3 euros/m2), Viana do Castelo (8,3 euros/m2) e Coimbra (8,2 euros/m2).

Já as cidades mais económicas são Castelo Branco (5 euros/m2), Viseu (5,6 euros/m2), Santarém (6,1 euros/m2), Leiria (6,5 euros/m2) e Braga (7,3 euros/m2).

Distritos/Ilhas

Dos 16 distritos e ilhas analisados, os preços das casas para arrendar apenas desceram em Castelo Branco (-11%), Portalegre (-5%), Faro (-2,7%) e Braga (-2,1%). Já em Vila Real, os preços mantiveram-se estáveis durante o mês de outubro.

Por outro lado, os preços subiram em Viseu (17,2%), Aveiro (7,6%), Évora (6%), Setúbal (4,7%), ilha da Madeira (4,7%), Lisboa (4,3%), Santarém (4,3%), Porto (3,8%), Coimbra (3,4%), Viana do Castelo (3%) e Leiria (2,8%).

De referir que o ranking dos distritos mais caros para arrendar casa é liderado por Lisboa (15,3 euros/m2), seguido por Faro (11,2 euros/m2), Porto (11 euros/m2), ilha da Madeira (11 euros/m2), Setúbal (9,9 euros/m2), Évora (8,5 euros/m2), Viana do Castelo (8,1 euros/m2), Coimbra (7,9 euros/m2) e Aveiro (7,8 euros/m2). Segue-se Leiria (7,5 euros/m2), Braga (6,8 euros/m2) e Viseu (6,4 euros/m2).

Os preços mais económicos encontram-se em Portalegre (5,4 euros/m2), Vila Real (5,5 euros/m2), Castelo Branco (5,6 euros/m2) e Santarém (6,3 euros/m2).

Regiões

Durante o mês de outubro, os preços das casas para arrendar subiram em todas as regiões com a exceção do Algarve, onde desceram 2,7%. A liderar as subidas, encontra-se o Alentejo (7,3%), seguido pela Região Autónoma da Madeira (4,6%), Região Autónoma dos Açores (4,2%), Área Metropolitana de Lisboa (4,1%), Norte (3,7%) e Centro (3,5%).

A Área Metropolitana de Lisboa, com 14,6 euros/m2, continua a ser a região mais cara, seguida pelo Algarve (11,2 euros/m2), Região Autónoma da Madeira (10,9 euros/m2) e Norte (10,1 euros/m2). Do lado oposto da tabela encontram-se a Região Autónoma dos Açores (7,1 euros/m2), o Centro (7,4 euros/m2) e o Alentejo (8,3 euros/m2) que são as regiões mais baratas.

Índice de preços imobiliários do idealista

Para a realização do índice de preços imobiliários do idealista, são analisados ??os preços de oferta (com base nos metros quadrados construídos) publicados pelos anunciantes do idealista. São eliminados da estatística anúncios atípicos e com preços fora de mercado.

Incluímos ainda a tipologia “moradias unifamiliares” e descartamos todos os anúncios que se encontram na nossa base de dados e que estão há algum tempo sem qualquer tipo de interação pelos utilizadores. O resultado final é obtido através da mediana de todos os anúncios válidos de cada mercado.

O relatório completo encontra-se em:

https://www.idealista.pt/media/relatorios-preco-habitacao/arrendamento/

Nuvem do Minho
  Partilhar este artigo