Real Confraria conta com dois brasileiros como confrades enófilos

Confrades

Adilson Júnior e Pedro Oliveira, representantes da marca PROVAM no Brasil, foram entronizados na Real Confraria do Alvarinho. Os agora confrades enófilos têm a missão de “respeitar, difundir e promover o vinho Alvarinho”.

Fotos: Jorge Marçoa


Com a presença de alguns elementos da Real Confraria, o Museu Alvarinho foi palco da cerimónia. A 9ª entronização foi exclusiva para aqueles dois elementos, que haviam chegado do Brasil naquele dia.
O grão-mestre falava que “quando há um laço e um casamento há uma relação de compromisso”. José Emílio Moreira explicava: “Vamos assinar um pacto de compromisso solene”. A mensagem foi lida em voz alta e exigia que assumissem o “compromisso de tudo fazer para engrandecer e dignificar o vinho Alvarinho”.
Augusto Domingues brindou aos novos confrades e lembrava que “vamos fazer uma candidatura [juntamente com Melgaço] para promover a casta. Há que trabalhar muita coisa para promover a fileira do Alvarinho. Queremos dar o salto e desenvolver mais”.
Após a entronização, os dois novos confrades e alguns dos presentes visitaram as instalações da PROVAM, em Barbeita. Manuel Batista, o enólogo Abel Codeço e o comercial João Marques conduziram a visita, que mostrou aos representantes da Casa Flora e da Porto a Porto [importadoras brasileiras] onde são feitos os vinhos que chegam ao Brasil.

Durante a visita foi apresentado um vinho, que sairá para o mercado brevemente. O “Contradição” resulta de quere contrariar o “caminho comum”. O enólogo Abel Codeço referia: “Hoje caminha-se sempre para as mesmas coisas. E nós temos de começar a marcar o “terroir”, e colocar o território na garrafa”. Aquele responsável reconhece que “é um vinho que não pode sair todos os anos”.

Novos Confrades prometem “divulgar Alvarinho”
Adilson Carvalho Júnior trabalha com a PROVAM há sete anos. O importador da Casa Flor assume a “responsabilidade” de ser confrade e admite que ficará “muito mais envolvido no crescimento e no respeito ao vinho. Temos mais responsabilidade na divulgação do vinho. Temos uma responsabilidade maior para promover, no Brasil, este vinho”.
Lamentando que “os vinhos estejam a ficar muito parecidos”, Adilson Júnior valoriza o Alvarinho, que mantém “a característica do terroir e tem a marca da terra e da videira”. Admitindo que “o entendedor de vinhos procura este tipo”.

GOSTA DESTE CONTEÚDO?


“O nosso país tem um problema de cultura de vinhos brancos. Até pelo nosso clima nós deveríamos consumir mais vinho branco do que aquele que a gente consome, por causa de algumas matérias que falam das vantagens do vinho tinto e ainda porque chegaram ao Brasil alguns vinhos brancos que foram mal conservados e se deterioraram levando o consumidor a achar que o vinho branco não fosse bom”, salienta Adilson Júnior. Falando que o Alvarinho está a crescer no Brasil, deixa um conselho às empresas produtoras. “O Alvarinho no nosso mercado ainda é um vinho novo. Precisa ser muito mais conhecido. As pessoas têm de ter mais acesso a ele, por exemplo, através da presença de mais marcas no nosso mercado”.
Pedro Oliveira já tinha vindo a Monção. A levar até ao Brasil os vinhos da PROVAM há cerca de dez anos, aquele vendedor garante que agora “tenho a responsabilidade de respeitar, defender e difundir o vinho Alvarinho no mercado brasileiro”.
A trabalhar com a adega de Barbeita, o representante da casa Porto a Porto explica que o Alvarinho ainda é “pouco difundido no Brasil”, mas é “uma casta genuinamente ibérica. Quem prova o Alvarinho apaixona-se”.
Varanda do Conde e Portal de Fidalgo já estão no mercado brasileiro. O último “muito bem difundido no mercado gastronómico. Os principais restaurantes trabalham com o Portal do Fidalgo. A marca já é bem conhecida”.

  Partilhar este artigo
Nuvem do Minho
cidalia_meirim_rodrigues@hotmail.com
  Partilhar este artigo

Junte-se a nós todas as semanas