Recorda do passado o que o teu coração fez de bom

José Rodrigues Lima 

(Historiador)

É bom saber que nas nossas veias corre “o bom sangue”, testemunhado na doação solidária em momentos aflitivos.

Recentemente lemos num pequeno azulejo decorativo: “Recorda do passado o que o teu coração fez de bom”.

GOSTA DESTE CONTEÚDO?

Sim, é bonito…

Há problemas que se resolvem com bens materiais, mas outros só se resolvem com o coração.

Os voluntários, muitas vezes anónimos, que doam o seu sangue aqueles que atravessam dificuldades de saúde, conhecem bem que “DAR SANGUE É DAR VIDA”.

Faz-nos bem recordar:

 

“Um gesto de carinho faz-te forte;

Um gesto de gentileza faz-te nobre;

Um gesto de amor faz-te único”.

 

A acção de voluntariado nos hospitais e a generosidade da dádiva de sangue torna-nos únicos.

Só o coração sente a felicidade “em dar a comunhão ou compaixão” aqueles que sofrem corporalmente ou sentem a solidão.

“Quem faz bem, recebe bem.”

“É no dar que se recebe.”

 

É sempre saudável recordar a parábola do “Bom Samaritano” e a boa nova anunciada:

 

“Qual destes três homens te parece ter sido próximo daquele homem que caiu nas mãos dos salteadores?

Respondeu: O que usou de misericórdia para com ele.

Jesus retorquiu: Vai e faz tu também o mesmo” (Lc, 10, 36-37)

 

E ainda: “Não nos cansemos de fazer o bem; pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos” (Gl, 6,9)

 

“Precisamos sempre de contemplar o mistério da misericórdia. É fonte de alegria, serenidade e paz.” (Papa Francisco)

 

A nossa sentida admiração a todos os voluntários e doadores de sangue da Liga dos Amigos do Hospital de Viana do Castelo, autênticos “missionários da misericórdia”, olhando e escutando sempre com ternura os que carecem de saúde.

 

 

 

jornalminhodigital@gmail.com
  Partilhar este artigo

Também pode gostar