A Recusa (4)

Ulrich na companhia de dois imberbes militares, repara, ao percorrer uma clareira de terra nivelada, aspeto de um recente acantonamento militar, espaço parecido com um campo de futebol, ou um improvisado aeródromo, ladeado de aquartelamentos, (casernas) o movimento das viaturas com militares armados de armas automáticas outros com material bélico de guerra movimentam-se num corrupio frenético!

Em quanto militares em grupos de 30 homens formados por colunas de três alas, desfilam à ordem de vários instrutores em cadencia batida com o pé direito no chão, sobre a palavra de ordem:

1,2,3, nazis p´ra forca, na ponta da baioneta está a nossa força.

Ulrich sentia uma atmosfera mórbida, melancolicamente levado na consciência que ele ali estava a viver um inferno ao vivo, um filme de terror, coisa que abominava… deveras contrariado, segue as imposições, é convidado a entrar no ministério constituído por alguns militares oficiais generais e ou superiores com o aspecto de se tratar do comando em chefe daquele acantonamento.

– Sr. Ulrich bem-vindo, é patrioticamente um dos nossos oficiais em quem confiamos plenamente nas suas aptidões, a partir de agora é promovido a comandante da 109 ª companhia de atiradores sapadores que brevemente será destacado para uma missão, “operação especial”.

– Informo os senhores, com todo o respeito, que não tenho idade capaz para o quer que seja, sofro do coração, quero fazer exames, não estou em condições físicas nem morais para estas andanças, não fui militar, não tenho conhecimentos de guerra, nunca peguei numa arma, e demais a mais, eu não sou…  

Ulrich indirectamente é silenciado com atitudes rígidas, sendo repreendido por um oficial afirmando que não era permitido lamentos e muitos menos falar em guerra. Pois, aqui e em qualquer parte da Federação Russa, ninguém fala de guerra, porque trata-se tão somente de uma “operaçãoespecial”. Portanto, aqui ninguém falou, ninguém fala em guerra nem irá falar. Quanto aos conhecimentos para o exercício da sua missão, o senhor vai ter nos próximos dias formação suficiente para conhecer pormenores, o que de mais importante interessa para orientar os seus homens, sobretudo no quadro estratégico da engenharia militar. Confiamos nas suas competências.

… As minhas competências ou as vossas merdas, quereis mais carne para canhão é o que vamos ver… Pensa Ulrich lá com as suas intrínsecas razões…. as preocupações são bem mais sentimentais…

– Há três dias que a minha mulher e família não sabem de mim, preciso com urgência telefonar-lhes.

– A sua esposa está informada, não se preocupe…a partir de agora já pode falar com a sua gente.

– Como?

– Vai receber uma mochila com o seu equipamento pessoal, junto tem o seu telemóvel, pode falar à vontade. – Responde um dos oficiais generais.

w

Uns segundos após a breve e indolente apresentação é acompanhado pelas duas mesmas praças. Ulrich,  compreende finalmente que os imberbes militares são seus subordinados ordenanças permanentes, para o efeito,  conduzem-no ao seu aposento pessoal para lhe entregar os «Utilitaires militares personnels»: um saco mochila, entre outros adereços, continham dois camuflados, um para exercícios diários, outro de combate, uma farda oficial exterior, um par de sapatos, e um par de debotas, um boné caqui, um chapéu de oficial, e umas divisas de capitão, adereços contingentes, uma vez que não experimentou as farpelas não sabia se lhe serviam…

w

Ulrich sem rigorosamente nenhuma atenção, a sua grande preocupação era o telemóvel, fez de conta dos horrendos objectos. Estupefacto, perante aquela situação, sentia uma sensação de asco, terror e de medo, só de pensar que aquela porcaria da mochila e as coisas, muito provavelmente já vinham de alguém morto em combate…

w

Proibido dizer o quer que fosse, porque a garganta já tinha as perguntas prontas em pleno orgasmo; – o que querem de mim seus sacanas!? Mas não, não lhe deram a oportunidade de falar…. Abruptamente recebe ordens dos dois soldados para os acompanhar. É levado para uma camarata com mais dez militares todos reservistas promovidos nas mesmas condições repugnantes e arbitrárias.

w

O presumível novo comandante é apresentado pelos dois soldados naquela que será talvez por uns dias a sua horrenda habitação ou mais precisamente, o seu surpreendente cárcere…. Indiferente à inacreditável situação…. Após a admissão, procura um espaço tanto quanto mais intimista possível para telefonar à família.

– Leninha, meu anjo querido sou eu o teu Ulr!

– Ó meu Deus, finalmente! Onde estás meu amor? Estás bem? Diz-me que sim!

 – Sim, estou bem. Não sei onde estou, sei que estou num acantonamento militar.

РComo tens passado, meu amor? Como ̩ a alimenta̤̣o? Pediste para fazer exames ao cora̤̣o?

– Meu anjo não te preocupes, vamos levar esta confusão nas calmas…Os nossos netos e filhos estão bem?

РTodos os dias falam no av̫. Estamos todos preocupados e com muitas saudades! O que ̩ que te ṿo fazer, vais para a guerra?

– Promoveram-me ainda não sei a que patente para comandar uma companhia! Que condenação! Enfim… olha uma coisa, meu anjo, estou debaixo de escuta, não posso falar destas coisas militares, sobretudo da palavra guerra…

– Mas podemos falar de nós?

– Penso que sim… vamos combinar falarmos todos juntos, quero falar com todos os nossos filhos, os nossos netos, vamos combinar, pode ser já amanhã…

– Está bem, vou combinar… se puderes Ulr, liga antes a dizer para que horas, melhor à noite, assim estamos todos juntos. Está bem meu amor?

– Sim, meu anjo, amanhã de manha dou um toque para combinarmos, está bem assim?

– Meu querido Ulr fico à espera. Até amanhã fica com Deus, Deus te acompanhe, te dê sorte e muita saúde.

– Leninha, meu amor, vai correr tudo bem, tem calma, não te vás a baixo, amo-te muito.

– Também eu meu querido Ulr estou com muito medo, ainda morro de saudades…!

РLeninha, ṇo me deixes ir a baixo, preciso das tuas for̤as, se eu souber que te aguentas, melhor para todos, por favor leninha aguenta, amo-te muito, meu amor.

РEu tamb̩m. Liga logo, meu querido.

– Está bem, até logo, Leninha, meu anjo.

 w

 (Continua no próximo capítulo)

*

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida  total ou parcialmente por quaisquer meios, sem autorização escrita do autor. 

nevesdavila@minhodigital.pt
  Partilhar este artigo
Opinião  
  Partilhar este artigo