Compre já a nova edição do livro MINHO CONNECTION

Rio Minho ‘navegará’ até à UNESCO mas as marés já são vivas!

Estuário do Rio Minho

Do Rio Minho, muitos conhecem a sua beleza paisagística. Mas será que conhecem as adversidades deste leito internacional? Pois existem, e a maioria são resultado da mão do homem. E as consequência reflectem-se não só a nível ambiental mas também no sector económico …

Todos conhecem a lampreia do rio Minho. Mas, será mesmo? Nos últimos tempos muitas vozes se ouvem que se vende lampreia vinda de França como sendo do rio Minho, pois esta última é que ao longo dos tempos ganhou notoriedade. Muitos pescadores perdem com esta troca comercial enganosa e, como resultado, vêem a sua pesca extremamente reduzida quanto ao preço de compra. Nunca em tempos idos esta lampreia foi vendida a meros de 5 euros chegando até a menos. Reclamações da classe piscatória existem, mas resultados que modifiquem esta situação é que nada!

Muitos se dirigiam ao concelho de Caminha para se deliciar com o sável do rio Minho. Mas  também aqui, por vezes, é vendido como sendo o que não é.

E sobre as pontes que foram sendo construídas para beneficiar os concelhos mais próximos de ambas as margens há quem lhes atribua a responsabilidade que tanta obra atingiu  ao mudar o  curso do leito.

PUB

E o desassoreamento que se vê a olhos vistos e que em muito dificulta a vida da classe piscatória? Esse também existe, assim como as dúvidas de que este possa ser resolvido.

Mas, apesar de tudo isto há uma boa nova: os municípios de Caminha e A Guarda elaboraram agora uma candidatura sob o nome ‘ESTUÁRIO DO RIO MINHO A PAISAGEM CULTURAL DA UNESCO’. O que irá mudar em relação ao acima referido? Talvez tudo ou talvez nada…

GOSTA DESTE CONTEÚDO?

Os dois presidentes, Miguel Alves e António Lomba Baz «acreditam que a riqueza histórica, cultural, paisagística, ambiental, económica, etnográfica e humana desta zona comum são condições suficientes para o sucesso do projecto que agora se inicia» e que se tornou possível «graças às excelentes relações entre A Guarda e Caminha e ao espírito de colaboração reforçado ao longo dos últimos dois anos».

A hipótese que agora se abre de classificação do estuário como paisagem cultural da UNESCO é considerada pelos dois presidentes como «essencial para a valorização do património natural e cultural existente, preservação e divulgação junto da comunidade internacional».

PUB

O próximo passo é criar uma equipa de trabalho comum que possa sobretudo recolher toda a informação documental dos recursos naturais, culturais e antropológicos existentes.

O Minho Digital quis saber se nessa equipa caberiam a Associação dos Profissionais do Rio Minho, bem como a Corema. Ambas afirmaram que, até ao momento, não existiu por parte da Câmara Municipal de Caminha nenhum contacto. José Gualdino da associação ambientalista Corema lamentou o facto e considera que «todos os agentes económicos, e não só, deveriam ter acento nesta candidatura».

No entanto, Miguel Alves, presidente da edilidade caminhense, já informou várias entidades desta decisão, nomeadamente o Governo, a CCDRN e a CIM «no sentido de que Caminha possa conseguir apoio financeiro para este projecto».

PUB

Quanto à redacção da candidatura, já se sabe que será entregue a Jordi Tresserras e César Abella. Quanto ao primeiro, pertence à Universidade de Barcelona, é coordenador do LABPATC – Laboratório de Património e Turismo Cultural da mesma universidade onde são realizados trabalhos de investigação, consultadoria e apoio técnico, formação e desenvolvimento de projectos no âmbito de candidaturas a Património Mundial da UNESCO.

Até final do ano será estabelecido um calendário comum de actividades, isto com o propósito de envolver as pessoas nesta candidatura até porque, para o edil caminhense «nada disto faz sentido se for uma candidatura de gabinetes e de especialistas, se as populações não forem envolvidas no processo e se este não for amplamente participado».

PUB

PSD classifica esta candidatura de «redutora»

O Partido Social Democrata de Caminha classifica esta candidatura como «eleitoralista», afirmando que ela representa uma «visão redutora de todo o rio Minho provocada pelo ímpeto eleitoralista de Miguel Alves para tentar encobrir o mal-estar latente em Caminha».Num comunicado, esta força política vai mais longe e acusa o presidente da Câmara Municipal de Caminha de fazer «plágio» e explica: «faz plágio da ideia de candidatura do Rio Minho a Património Cultural Imaterial da UNESCO, cuja ideia inicial foi lançada pelo professor Flamiano Martins mas, mais uma vez, sem estratégia e ambição!»

E recuando ao tempo das eleições autárquicas, concretamente à campanha eleitoral, este partido afirma que «o Rio Minho, a sua candidatura a Património  Cultural imaterial da Unesco e o envolvimento de todos os autarcas, de Espanha e Portugal de ambas as margens do Rio Minho era uma das fortes apostas do programa eleitoral do PSD e de Flamiano Martins, tendo para tal o então vereador, iniciado inclusive os contactos, procedimentos e convites e contado com a anuência formal das Câmaras Municipais de V.N. Cerveira e Melgaço, que chegaram a designar técnicos para o acompanhamento deste grande projecto». Os social-democratas acrescentam que «já tinha sido elaborado um plano Estratégico que consubstanciou toda a acção e foram ainda feitos vários convites a diversos parceiros e entidades deste território, de acordo com a estratégia delineada». Acusam, ainda, de que a ideia do presidente do município surge «tirada a saca rolhas» e aliam a mesma ao tempo em que «a vereadora da Acção Social e Educação (Ana São João) se demite por não ter condições nem meios para trabalhar e porque os pescadores de Caminha têm revelado um enorme mal-estar face às promessas políticas e eleitorais feitas por este executivo no que diz respeito ao apoio à actividade piscatória e à manutenção da navegabilidade da foz do rio Minho».

O lamento deste partido é, também, porque esta candidatura «não possa ser extensível a todo o rio Minho, como defendemos durante a campanha eleitoral, ao contrário do Dr. Miguel Alves que nem reconhecia no seu manifesto o enorme potencial deste ex-libris».

 

 

 

 

 

 

PUB
  Partilhar este artigo
  Partilhar este artigo
PUB
PUB

Junte-se a nós todas as semanas