Sonetos Escolhidos – 5

Sonetos escolhidos.

w

A NAU QUE NAVEGUEI

 w 

Da minha nau restam quilhas na lama

E uns quantos madeiros arqueados

Das côncavas cavernas dos costados

Nada que lembre o que lhe deu a fama.

 w

Com ela naveguei tendo a bombordo

Toda a costa africana ocidental

Depois de haver deixado Portugal

Meu adorável reino, que recordo.

 w

Fui penejando versos na amurada

No coração; a saudade da amada

No horizonte; o olhar deslumbrado.

 w

Todas as tardes, no castelo da popa

Sempre pousava uma branca gaivota

Na espera de escutar de novo um fado.

 

 DE FÉ PERDIDA

w 

Cheiros de ti ficaram na almofada

Que junto à minha, alva, permanece

E enquanto me tarda a alvorada

No frio da noite só ela me aquece

 w

As saudades são tantas e a dor

Da tua ausência nos nossos lençóis

Trazem memórias vivas do amor

que tal como a minh’alma tu destróis

 w

Surgem alvores do dia e dou comigo

Remoendo as razões deste abandono

Mas mais do que abismar-me não consigo

 w

Porque te dei de mim todo o meu sono

Se o que investi em ti estava perdido

Até a fé, que agora não tem dono!

 w

 

EU TE NOMEIO, MÁGOA

 w

Eu te nomeio mágoa, que não sabes

ver neste porto o cais de uma saída

quisera dar-te a ordem de partida

pois tu recusas ver que aqui não cabes

w

Nesta tristonha nau da minha vida

que tenta enfunar velas e lograr

Ganhar destreza e fazer-se ao mar

Encontrar noutras águas melhor lida

 w

Sigo a ternura nova de uma esperança

que me traga venturas e bonança

Eu te renego mágoa, vai-te embora!

 w

Que os ventos estão hoje de feição

Eu te maldigo mágoa, vai-te agora!

Já se enche de maresia o coração

 w

 

FADO MILITAR

 w 

É lá, nesse recanto da saudade

Que mora o fado antigo, marinheiro

Aquele fado de sempre, sem idade

Que numa voz maruja foi primeiro

 w

Do Gama as caravelas foram palco

Dessa canção tristonha, perturbada

Que brota das gargantas em socalco

Com em soluços d’alma esfarrapada

 w

Falo de Portugal, emocionado

De lá trouxe o meu fado, alegremente

Numa esperança de vida, engalanado

 w

E inda o escuto ao longe, sobre o mar

Como se os ecos seus fossem presentes

No luso coração nele a vibrar

 

EVOCO ESPARTA

 w 

Por ver tanta ganância neste mundo

Eu evoco de Esparta os sóbrios usos

Leônidas relembro, rei facundo

Que só esbanjou coragem c’os intrusos.

 w

Conjuro a educação n’essa urbe antiga

Onde o respeito aos velhos era lei

E quem malbaratasse era banido

Como gente mal querida pela grei.

 w

Aos jovens competia a contenção

Como princípio mor a respeitar

E a conduzir na vida a sua acção,

w 

E cedo o seu dever era zelar

Plo sossego das gentes e do chão

D’amada pátria, o seu cimeiro altar.

meugesa1@gmail.com
  Partilhar este artigo
Opinião  
  Partilhar este artigo