A VERDADE É COMO O AZEITE …

José Adriano Alves

Deputado Municipal do PS de Monção

O suposto ponto final na instabilidade no Agrupamento de Escolas de Monção que o PSD local e o seu líder andaram a apregoar, não se importando de defraudar com a atitude tomada na Assembleia Municipal do passado dia 25 de setembro de 2015, centenas de Pais/Encarregados de Educação, alunos, docentes e pessoal não docente, não passou de um mero “faits divers”, como na altura o Partido Socialista de Monção teve oportunidade de referir.

Ao prometer o que não poderia garantir, na medida em que, como era do conhecimento de todos, existiam processos a correr no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, apenas usaram a Educação para atingir objetivos políticos.

Bastará recordar, para aqueles que a memória atraiçoa, a presença dos vários candidatos da coligação de direita a deputados pelo círculo de Viana do Castelo, logo na semana seguinte à realização da Assembleia Municipal, na feira semanal, quando até ao momento não tinha havido qualquer aparecimento público. Assim como também a desfaçatez de, logo pela manhã, bem cedo, ter aparecido e sido distribuído à porta das escolas do Agrupamento um panfleto a garantir o cumprimento de um compromisso que, objetivamente e legalmente, não o poderiam fazer.

GOSTA DESTE CONTEÚDO?

Existindo uma separação de poderes, nomeadamente entre o político e o judicial, e conhecendo a existência de processos judiciais, como anteriormente referi, o que o PSD local e o seu líder fizeram foi apenas um embuste propagandístico.

A verdade é como o azeite. Vem sempre ao de cima, como diz o nosso povo.

Na última semana do ano de 2015, ao tomarmos conhecimento da decisão da sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, ficou reforçada a convicção do Partido Socialista de Monção que afinal, como sempre dissemos, tínhamos razão.

A decisão do TAF de considerar procedente o pedido de anulação da eleição do Presidente do Conselho Geral Transitório do Agrupamento de Escolas de Monção e dos atos pré eleitorais conexos, põe à evidência que o problema não estava nada resolvido. Apenas “varreram para debaixo do tapete”, como é típico da direita, e quem viesse a seguir que o resolvesse.

Cabe assim, com a devida transparência e honestidade, ao governo do Partido Socialista, colaborar para que, de uma vez por todas, a tranquilidade, a paz e a harmonia entre todos os protagonistas educativos assentem definitivamente no Agrupamento de Escolas de Monção.

Ao PSD local e ao seu líder, se não é pedir muito, sugere-se que peçam desculpa a toda a Comunidade Educativa pela utilização abusiva da educação em proveito político e, no presente e no futuro, seja em assuntos educativos ou outros, tenham como máxima de atuação a célebre frase de Abraham Lincoln: Pode-se enganar a todos por algum tempo; Pode-se enganar alguns por todo o tempo; Mas não se pode enganar a todos todo o tempo…

jornalminhodigital@gmail.com
  Partilhar este artigo

Também pode gostar