‘Voadora’ do narcotráfico apreendida em Lanhelas enquanto processo legislativo estagnou!…

Uma operação conjunta da PJ, Brigada Fiscal e Marinha, culminou na apreensão, na semana passada, de uma lancha ‘voadora’ semi-rígida quando os traficantes se preparavam para a colocar nas águas do rio Minho, em Lanhelas!

Uma localidade histórica quando ainda havia contrabando, serviu para mais uma acção policial de combate ao tráfico de droga.

O ‘pico’ de tensão deu-se, por volta das 5 horas da madrugada de 5ª feira, quando a PJ deu um tiro para o ar ao pretender a rendição dos suspeitos no momento em que estes se preparavam para içar uma zodíaco com três potentes motores a partir de camião trailer que tinha sido alugado nua empresa de Vila Nova de Gaia. Ao contrário do que foi anunciado, não houve troca de tiros, mas apenas a fuga de cerca de 10 suspeitos envolvidos, entre cidadãos lusos e galegos, tendo-se verificado, apenas, a detenção do motorista português do veículo transportador que, numa primeira audição judicial, alegou que ignorava a que se designava a descarga e se limitara a cumprir ordens do seu superior na tal empresa.

Notícia relacionada    Apreensão de ‘voadoras’ em Vila Nova de Cerveira revela a «preocupante intensificação» de operações de narcotráfico

Também foram apreendidas duas furgonetas que continham mais de 2 mil litros de gasolina o que indiciava que a lancha, como é habitual, iria ao encontro no alto mar de uma embarcação a partir da qual receberia a droga, enquanto que a primeira se reabastecia do combustível para poder fazer o regresso às nossas costas. Atendendo à quantidade de gasolina, presume-se que a ‘embarcação-mãe’ estaria muito longe, em águas internacionais, de modo a dificultar a sua localização, identificação e apreensão.

PUB

Enquanto em Espanha a legislação proíbe a construção deste tipo de lanchas pneumáticas com cumprimento superior a 13 metros justamente por servirem interesses criminosos, em Portugal ainda não há qualquer limitação, havendo mais de uma dezena de empresas desse ramo que estão sob vigilância.

Há cerca de 1 ano foi formado um grupo de trabalho representando as diversas autoridades e outras entidades oficias para elaborarem um projecto-lei semelhante ao do país vizinho, a realidade é que, segundo uma fonte ligada a este processo «apesar de a Comissão já ter concluído há meses o fim a que se destinara, até ao momento não houve mais desenvolvimento». E conclui «parece que se estagnou, não se compreende, quando se sabe que Portugal é o El Dorado para estas organizações transnacionais, o que comprova a escalada de episódios de que temos sido cenário!»

GOSTA DESTE CONTEÚDO?

PUB
  Partilhar este artigo

1 comentário

  1. Esse tiro para o ar foi para os avisar para fugir só pode . Que grande operação…. Teria como título “um tiro para a fuga”?????

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

jornalista.manso.preto@gmail.com

  Partilhar

PUB
PUB

Junte-se a nós todas as semanas