Compre já a nova edição do livro MINHO CONNECTION

Entrevista com o escritor Luiz Fernando dos Santos

shirley_cavalcante_perfil.jpg

 

 

 

PUB

 

 

GOSTA DESTE CONTEÚDO?

 

Shirley Cavalcante

PUB

Jornalista / Editora de Lusofonia

 

Nasceu em 14 de maio de 1985, em São Caetano do sul -SP, mas foi criado na cidade de Piraju/SP.

PUB

É escritor, pedagogo, poeta, professor, especialista em Educação Especial e gestor escolar. É autor de diferentes artigos publicados em revistas acadêmicas como Revista @ambienteeducação da UNICID e também na coletânea “Interfaces da Gestão Escolar” pela Brazil Publishing, 2021. Atualmente cursa MBA Gestão Escolar pela USP/ESALQ.

 

Escritor Luiz Fernando dos Santos, é um prazer contarmos com a sua participação na Divulga Escritor: Revista Literária da Lusofonia, conte-nos o que o motivou a publicar “Poemas em Punhos”?

PUB

Luiz Santos – Sempre gostei e me identifiquei com livros que trazem poemas de protesto, de reflexão e criticidade, de “A Rosa do Povo” de Drummond a coletânea “50 Poemas de revolta”, por exemplo. Esse tipo de literatura me toca muito, gosto de poemas com esse viés, porque é provocador, traz um discurso, uma mensagem, apresenta-se uma problemática, não basta ler, exige-se um posicionamento. Portanto, “Poemas em Punhos” vem nessa esteira, com o propósito de suscitar reflexões e discussões sobre os diferentes temas contemporâneos que afligem a sociedade. É o meu olhar sobre o mundo, sobre nossa história e humanidade, não retrata apenas o que aconteceu, retrata o que ainda está acontecendo.  E como já dizia Edmund Burke: “Um povo que não conhece sua história está fadado a repeti-la”.

O livro coleciona textos escritos desde que ano?

Luiz Santos – O poema “Pão e Circo” que aborda a desigualdade social, por exemplo, deve ter mais de dez anos.  Já o poema “Uniformes” foi o último a ser inserido no livro  e trata da guerra na Ucrânia.  Mas grande parte do livro foi produzido  também no período pandêmico, o que foi essencial para  eu ter equilíbrio emocional durante a pandemia, escrever foi minha tábua de salvação.

Em que momento pensou que os textos seriam publicados em um livro?

Luiz Santos – A princípio não existia a pretensão dos poemas serem publicados, eram apenas  inquietações e reflexões particulares organizadas em versos. Com o tempo fui deixando o pudor de lado e deixei alguns amigos autores e professores de literatura conhecerem alguns poemas, a devolutiva que eu tinha era muito positiva, isso me trouxe  um pouco mais de autoconfiança, já que eu era escritor  de outro segmento, de literatura acadêmica.  De qualquer forma, acredito que, em algum momento, todo escritor tem um chamado interno, aquela chavinha que vira e CLICK!  Ouve-se aquela voz  que diz: “ Chegou a hora”!

Apresente-nos a obra.

Luiz Santos – “Poemas em Punhos”  apresenta 52 poemas distribuídos em 74 páginas, como o  próprio nome sugere,  é um  livro de poesia social ou como preferirem: de poesia crítica social. O título é livremente inspirado nos poemas “La Poesía Es un Arma Cargada de Futuro” de Gabriel Celaya e “O Poeta é a Mãe das Armas” de Torquato Neto. Deriva-se daí a analogia de poemas com armas, já que os primeiros são armas de denúncia, de protesto e de crítica social. É um livro que apresenta uma estética, palavras, rimas, mensagens e referências que conduzem o leitor a um lugar de pensamento, de reflexão e criticidade, são poemas que tensionam, mas que também confortam, uma obra de muitas texturas e camadas. É soturno, mas também solar. Há uma luz no fim do túnel e cabe a nós, sempre que necessário, acendê-la.

Quais temáticas estão sendo abordadas?

Luiz Santos – “Poemas em Punhos” está organizado em duas partes: I- Ressurreição, reflexão e relatos da quarentena e II- Problemas crônicos e hodiernos de um mundo hediondo. A primeira parte aborda a pandemia e seus impactos na vida e na saúde mental das pessoas. Já a segunda parte explora muitos assuntos que estão em voga na sociedade: os direitos humanos, a situação dos refugiados e imigrantes no mundo, o racismo estrutural, o feminicídio, o feminismo, a homofobia e a degradação do meio ambiente,  só para citar alguns. Mas é um livro que também traz uma mensagem  clara de  fé, de luta, de esperança e resiliência.

Apresente-nos um dos textos publicados em “Poemas em Punhos”.

Luiz Santos – E o exílio vira excursão ao desconhecido/ e assim vou ganhando sobrevida sem aspas/ Do universo estagnado ao expandido/ assumo os riscos e crio asas.

Onde podemos comprar o seu livro?

Luiz Santos – “Poemas em Punhos” está disponível para a venda na Amazon, Livraria da Travessa, UmLivro, Estante Virtual, Magazine Luiza, Livaria M.E. e no site da Editora Telha.

Além de “Poemas em Punhos”, você tem outros livros publicados. Apresente-nos.

Luiz Santos – Em 2021, pude participar com dois artigos, cujos títulos são: “ O Gestor escolar e o Desafio da Inclusão: apontamentos teóricos e práticos” e “Gestão Democrática e Participativa: perspectivas e reflexões” na composição do livro “Interfaces da Gestão Escolar”. Gasperoni, E. (Org.)] 1 ed. Curitiba: Blazil Publishing.  É um livro composto por uma coletânea de artigos escritos por  gestores escolares de Taquarituba/SP e que parte de pressupostos políticos e pedagógicos vislumbrando uma educação de qualidade e tangível a todos.

Quais seus próximos projetos literários?

Luiz Santos – Em 2024, estarei publicando um livro de literatura infantil ou outro livro de poemas, igualmente lírico, entretanto, menos político que “Poemas em Punhos”. Pretendo explorar outras searas.

Pois bem, estamos chegando ao fim da entrevista. Muito bom conhecer melhor o escritor Luiz Fernando dos Santos. Agradecemos sua participação na Divulga Escritor: Revista Literária da Lusofonia. Que mensagem você deixa para nossos leitores?

Luiz Santos – A expectativa de todo escritor é ser lido, sempre por mais e mais pessoas. Entretanto, mais do que ter meu livro comprado, lido e recomendado por alguém, quero me conectar com as pessoas, saber o que elas acharam do livro, saber quais poemas a tocam e sensibilizam. Sempre digo que “Poemas em Punhos”, mais que uma carta de protesto, é também uma espécie de ode à humanidade, à natureza e a todos os seres vivos, ou seja, ao amor, já que nos faz refletir sobre o que realmente tem importância. Então, gostaria muito de receber mais feedbacks de leitores, meu e-mail é: luidy9278@gmail.com e meu instagram é: fernandossantos229

 

Divulga Escritor, unindo você ao mundo através da Literatura

Quer ser entrevistado? Entre em contato com nosso editorial, apresentaremos proposta.

Contato: smccomunicacao@hotmail.com

 

PUB
  Partilhar este artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  Partilhar

PUB
PUB

Junte-se a nós todas as semanas