Editorial

HEMODIÁLISE

Manso Preto

Manso Preto

Director / Editor
Manso Preto

Manso Preto

jornalista.manso.preto@gmail.com
Director / Editor

Manso Preto

Director / Editor

 

Mais do que a perda de tempo para os empreendedores, o impacto das disfunções burocráticas na economia é muito maior do que sequer imaginamos.

E quando isso envolve a saúde pública, como foi o caso da Unidade de Hemodiálise de Carreço, num edifício criado de raiz pela empresa concessionária e que apenas ao fim de quase 3 anos conseguiu que as teias burocráticas tenham dado o aval, é dramático.

A burocracia por parte do Estado, nomeadamente os seus agentes, é, quase imediatamente associado à ideia de ineficiência, incompetência, insensibilidade.

Ela remete-nos também, em geral, a algo incómodo, que me abstenho de caracterizar…

Revela um quadro impressionante das enormes dificuldades que, além da crónica lentidão, leva os empreendedores ao desespero e que são, normalmente os menos culpados e que têm de dar a cara, todos os dias, perante aqueles (no caso doentes) que sofrem com enormes sacrifícios pela incompetência de quem deveria ser humano, célere e responsável em prol da comunidade.

3 anos é muito tempo!

Para a região, o resultado é o atraso, a descrença no sistema de saúde –  além da má imagem junto à comunidade científica e simples contribuintes.

Casos como os denunciados pelo MINHO DIGITAL constituem um vexame num Estado supostamente de Direito em que o direito à saúde está Constitucionalmente garantido – e que, na prática, não está.

Não podemos acreditar que a Constituição Portuguesa possa ser equiparada a uma espécie de leitura de cordel que cada vez se lê menos, e cada vez se acreditou mais…

jornalista.manso.preto@gmail.com

Partilhar

Partilhe este artigo

 Do autor...  Do mesmo autor...